Hortas e pés

Sinhá,

Embora ainda tenha algumas encomendas de Natal para entregar, posso considerar que semana passada, fechamos os trabalhos do ano de forma especial: levando para crianças o contato com plantio de hortas.

O objetivo principal do trabalho foi proporcionar às crianças o contato com a terra, com a natureza. Explicar ainda que as plantas também são seres vivos e que precisam de cuidados, assim como o gato ou cachorro, despertando noções de responsabilidade sobre algo, afinal,  “quem cuida, tem”.

Oficina de Hortas crianças

Oficina de Hortas crianças

Foram convidados para uma roda de potinhos coloridos e, antes mesmo que ela fosse finalizada, uns quatro pézinhos descalços estavam a postos em seus devidos lugares.

Curiosos, me disseram que nunca haviam plantado nada, mas gostavam de couve mesmo assim.

De repente, vários deles já estavam com seu potinhos coloridos na minha roda. Rostinhos com olhos fixos em mim. Rostinhos de 2 a 4 anos. Meninos e meninas. Ao todo, uns 15. Dos 15, apenas 2 tinham tido contato com horta.

As mudas ficaram ao centro da roda e assim, cada criança escolheu a sua. Se animaram com as pedrinhas para drenar, brigaram pelas pás e com minha instrução, compartilharam o regador. Ahhh o regador num dia de calor! Se animaram com a ideia, mas a água misturada com a terra espalhada pelo chão não fez muito sucesso. E o medo de sujar os pézinhos já tão sujos?

A atividade durou cerca de meia hora, o ponto máximo para esse meu novo público. Outras atividades os chamavam e logo a música começou.

Muitos, levariam a horta para a mãe cozinhar assim que ela chegasse do trabalho, outros levariam para a vó e alguns cuidariam com muito amor.

Oficina de horta crianças

Oficina de horta crianças

Neste dia tive a certeza que esse foi só o início de uma nova proposta da Sinhá Flor Jardim.  Tive ainda o maior orgulho do mundo, do meu ajudante mirim. Ajudante que briga para dar água às plantas todos os dias, mesmo quando estou com pressa. Com muita concentração, tenta ao seu modo regar, sem deixar a água cair. Brigamos pelo uso da tesoura, mas ele já viu a importância da poda e todos os dias, sente o perfume das flores que levo para casa, mesmo que seja uma suculenta.

Isso veio dele, mas cultivamos em casa. E então, me lembrei de um vídeo, muito interessante que publiquei dias atrás.

“A conexão com a natureza, é inata em qualquer criança. Contudo, precisa ser cultivada.”

Oficina de hortas realizada na Casa do Brincar, São Paulo.

 

Compartilhe:

Comentários no Facebook